Manifestações nunca dão em nada?

Como o post passado tinha muitos assuntos diferentes e eu queria um post curto, escrevi um pouco de cada um, mas ainda fiquei com vontade de falar mais sobre os protestos que vem acontecendo aqui e no mundo. Neste post quero tentar invalidar uma hipótese: “Manifestações nunca dão em nada!”

Aonde eu disser manifestações, quero dizer passeatas, protestos, manifestações e marchas.

Para invalidar a hipótese, quero trazer um pouco do que aprendi com startups nos últimos 2 anos.  À seguir, vou montar um funil de passos, que em conjunto formam um processo que pode ser usado para transformar o Brasil. Acredito muito que temos as pessoas e os recursos necessários pra criarmos um país melhor!!!

Marcha Contra a Corrupção: 7 de Setembro de 2011

Marcha Contra a Corrupção: 7 de Setembro de 2011

Meu objetivo não é nem defender e nem dizer que sou a favor de manifestações, mas apenas apontar qual o papel que podem cumprir. Não estou dizendo que essa é sua única função, mas apenas uma das.

Segue o seguinte fato: o Brasil tem vários problemas! Acredito que podemos diminuir ou acabar com muitos deles e caminharmos para uma nação com melhor saúde, educação, transporte, qualidade de vida, etc. Para isso acontecer, temos que passar pelos seguintes passos, em que precisamos:

  1. Conhecer os problemas
  2. Querer que os problemas diminuam ou acabem
  3. Priorizar quais são os problemas mais importantes e urgentes
  4. Conhecer quais as diferentes frentes que podem combater o problema
  5. Unir o maior número possível de pessoas para combater o problema
  6. Nos dividirmos para atuarmos cada um na frente que pode ou tem mais conhecimento
  7. Definir métricas e prazos para diminuir ou resolver o problema
  8. Acompanhar os agentes e suas ações para ver se estão resolvendo de fato o problema e no tempo previsto
  9. Revisar os agentes e atitudes necessárias para resolver o problema
  10. Voltar para 1

Note que o passo 10, falo para voltarmos para o passo 1, ou seja, é um ciclo, que deve ser passado de geração para geração, de problema para problema, nunca acaba!

Aonde entram, então, as manifestações? Elas atuam em parte do processo, mais precisamente nos passos de 1 a 5, ou seja, manifestações ajudam as pessoas a tomarem conhecimento dos problemas do país, ajudam a plantar uma semente de inconformação e vontade de mudar, mostram que o país tem coisas muito importantes e urgentes para resolvermos, e ajudam a unir um número imenso de pessoas em prol de uma causa maior, mas sozinhas e isoladas, elas realmente não tem muito efeito. Muitas vezes, as manifestações surgem quando o nível de intolerância da população está cheio e qualquer novo fato que aumente a intolerância, faz as pessoas se indignarem e irem para as ruas, a maior arquibancada do Brasil! E na minha opinião foi o que aconteceu recentemente, os R$ 0,20 foram só a gota d’água e não o real motivo!

Se sozinhas, as manifestações não mudam nada, então a hipótese foi validada? Não! O que elas fazem então? Elas são meios de conseguirmos dar início ao processo de transformação, para chegarmos nos passos de 6 a 10 e fecharmos um ciclo! Ou seja, elas são parte do todo, sem os passos de 1 a 5, não é possível cumprir os passos de 6 a 10 e causarmos a mudança!

Assim, não faz sentido dizer que “Manifestações nunca dão em nada!”, pois elas dão sim, dão início à um processo de transformação, é uma ação por uma causa maior, muitas vezes é a base de tudo! É claro que elas podem não dar em nada, se não houver continuidade de ações que fechem um ciclo, mas não vou entrar no mérito agora se as manifestações que vem ocorrendo aqui no Brasil vai ter continuidade ou não. E você, o que acha? Alguma sugestão para os passos ou o processo?

De longe esse foi o post mais complicado que escrevi até hoje, não consegui cronometrar direito, mas foi algo em torno de 2h30. +10min editando.