Arquivo da categoria: Brasília & Around

A arte de multi-tasking

Quero compartilhar com vocês um experimento que rapidamente demonstra que muitas vezes iniciar uma tarefa antes de terminar outra pode ser desperdício de tempo.

Pegue um papel, uma caneta e um cronômetro e em 2min você realizará dois experimentos que ajudarão a validar a hipótese acima.

Experimento 1) Cronometre o tempo para você escrever o mais rápido possível a sequência de 30 elementos dos número de 0 a 9, das letras de A a J e dos números romanos de I a X. O resultado final deve ser:

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 A B C D E F G H I J I II III IV V VI VII VIII IX X (se não couber em uma linha no papel, não tem problema, utilize a linha de baixo.)

Anote o tempo que você levou!

Experimento 2) Agora, você vai re-escrever os mesmo 30 elementos, o mais rápido que puder, só que de forma diferente. Ao invés de escrever de 0 a 9 e depois de A a J e depois de I a X, você vai escrever os mesmo elementos, só que alternando um elemento de cada tipo por vez, ou seja, um número, seguido por uma letra do alfabeto, seguida por um número romano. O resultado deve ser: 0 A I 1 B II 2 C III 3 D IV 4 E V 5 F VI 6 G VII 7 H VII 8 I IX 9 J X.

Anote o tempo que você levou e compare com o tempo do primeiro experimento.

Resultado dos meus Experimentos Multi-Tasking
Resultado dos meus Experimentos Multi-Tasking

Qual experimento você foi mais rápido?

Eu demorei 23s na primeira sequência e 34s na segunda, ou seja, o segundo experimento me tomou 40% mais tempo.

Fazendo uma analogia com projetos, podemos dizer que a sequência toda é um projeto, que pode ser subdividido em 3 tarefas (números, letras do alfabeto e números romanos) e que cada tarefa possui 10 sub-tarefas (0 a 9, A a J, I a X).

Analisando o primeiro experimento, em 23s eu havia terminado por completo as 3 tarefas e todas as suas 10 sub-tarefas de cada, totalizando 30 sub-tarefas.

No segundo experimento, em 23s eu não havia terminado nenhuma tarefa por completo e ainda precisei de mais 40% de tempo para terminar qualquer tarefa por completo. No primeiro experimento, a primeira tarefa terminou por volta dos 8s, a segunda por volta dos 15s e a terceira em 23s. No segundo experimento, qualquer tarefa terminou em 34s, ou seja, em um projeto em que quanto mais rápido melhor, o segundo experimento perde feio para o primeiro.

Se você conseguiu fazer o Experimento 2) mais rápido que o Experimento 1), isso significa que você manda muito bem em multi-tasking, mas isso não é comum para a maioria das pessoas, faça o teste com outras pessoas e poderá observar isso. A ideia é que quando trocamos de tarefa, gastamos um tempo para sair de uma e entrar na outra, também chamado de switch time. No Experimento 1), trocamos de tarefa apenas 2 vezes, já no Experimento 2), trocamos de tarefa 29 vezes.

Assim, podemos ver que muitas vezes é melhor você começar uma tarefa apenas depois de terminar a atual. A ideia de que quanto antes começarmos, o quanto antes vamos terminar pode ser apenas uma ilusão.

Aprendi este exercício na aula de CSPO (Certified Scrum Product Owner) que aconteceu nesta última segunda e terça-feira com o professor Heitor Roriz.

Compartilhe aqui os tempos que você demorou em cada um dos experimentos!

Abs!

Jantar filosófico

Acabei de chegar em casa e queria registrar o aprendizado da noite.

Fui jantar com minha sócia, Mariani, e com o Rafael e o Rodrigo da HE:labs. Queríamos retribuir a atenção que eles nos deram no Rio e também para trocar idéias e falar de negócios. Fomos no Coco Bambu do Lago Sul queria e recomendar demais o Camarão em Crosta com risotto de limão siciliano. Rodrigão também aprovou, já a Mari disse preferir o Internacional, que também é uma ótima pedida.

Conversamos sobre negócios, jantamos, e quando parecia que já tínhamos falado bastante e estávamos prontos para partir, aí é que começou a parte boa da conversa, falamos sobre metas de vida, o que é felicidade, espiritismo, dor, sofrimento, necessidades, enfim, assuntos bastantes complexos e delicados, e foi muito maneiro poder ouvir os diferentes pontos de vista.

O que pude perceber ao longo da conversa foi que a gente tem objetivos de vida em comum, sendo um deles impactar positivamente um número enorme de pessoas, mas o caminho que cada um enxerga para chegar lá é bem distinto.

Dentro dos aprendizados da noite, gostaria de destacar o do conceito de felicidade que o Rafa falou que veio do espiritismo e que se baseia em três princípios: fé no futuro, consciência tranquila e atender às necessidades. Achei demais, acho que tem tudo a ver e independe de religião, vou tentar pensar nisso com mais frequência. Fiz uma analogia com startups, onde dizemos que muitas startups falham não porque não conseguem construir o produto que se propuseram, mas porque constroem o produto errado, ou seja, que não tem mercado, já no âmbito da felicidade, muitas pessoas não conseguem ser felizes, não porque não conseguem cumprir os itens da sua lista de necessidade, mas porque construíram a lista errada.

O que quero dizer é que muitas vezes as pessoas projetam sua felicidade em algo material, conseguem, ou compram, ou ganham aquilo, tem um momento curto de felicidade, ou alegria, não quero entrar no mérito, mas depois passa e ela volta para o mesmo estágio anterior à ter o bem material. Ou seja, projetou a felicidade em algo errado.

Outra coisa que aprendi foi diferença de dor e sofrimento. A dor é inevitável, o sofrimento é opcional. O que entendi disso tudo foi que todos nós não podemos evitar a dor, vamos ter dor, mas sofrer com ela é algo que depende muito mais de nós do que da dor em sí. Concordei demais com isso, mas é claro que não é fácil optar por não sofrer, mas pra mim faz muito sentido e devemos pensar muito sobre se estamos sofrendo por antecipação ou desnecessariamente. Me lembrou muito a frase do Lance Armstrong: “Pain is temporary. It may last a minute, or an hour, or a day, or a year, but eventually it will subside and something else will take its place. If I quit, however, it lasts forever.”

Curti demais escrever este post, são assuntos que me deixam muito intrigados e me dá vontade de refletir sobre cada vez mais. Com certeza virão mais posts sobre isso! Abraços e boa noite!

Blog pessoal ou profissional?

Já ouvi e li muitas vezes para separarmos a vida pessoal da profissional, não usar Facebook para assuntos de trabalho e coisas do tipo. Bom, até certo ponto eu concordo, mas acredito que isso depende muito da posição que você ocupa no mercado de trabalho e do estilo de vida que você leva pessoalmente.

Essa preocupação de não querer misturar vida pessoal e profissional chegou a ser um dos motivos que me fizeram procrastinar e não iniciar a escrever aqui no Zarpei há mais tempo. Eu queria falar de trabalho e da vida pessoal aqui no blog, mas tinha na cabeça que isso era “errado” e aí eu não falava nem de uma coisa e nem de outra. Felizmente, decidi escrever sem planejar praticamente nada desde o dia 10/junho/2013 e até agora está tudo certo!

Pra dizer a verdade, nem sei se eu conseguiria separar minha vida profissional da pessoal. Meu relacionamento pessoal tem influência direta nos negócios da Ink. Como somos uma agência pequena, nossos clientes vem sempre de indicações de amigos ou de outros clientes. Praticamente nunca fizemos prospecção, ou seja, venda totalmente passiva, que tenho certeza que vem do relacionamento pessoal de toda a equipe no dia-dia. O que, pra mim, reforça que vida pessoal e profissional andam juntas.

Essa mistura de vidas foi algo que percebi muito lá no Vale do Silício também. Lá, toda hora é hora de falar de negócios e as pessoas gostam disso. Aqui no Brasil vejo muita gente que fica contando as horas pra sair do trabalho pra descansar e tomar uma cerveja. Se você falar de negócios elas falam logo: “Ah não, por favor, não vamos falar de trabalho não, quero relaxar!”. Sei lá, não sei como é o trabalho dessas pessoas, mas imagino que não seja algo que a deixa realizada. Eu adoro sair, seja a hora que for, para falar de negócios, pois é uma ótima oportunidade de trocar experiências e aprender.

Trabalhando e passeando no CalTrain de Palo Alto à São Francisco
Trabalhando e passeando no CalTrain de Palo Alto à São Francisco

Pode parecer clichê, mas é aquele ditado: “Faça o que gosta e não terás que trabalhar um só dia.” Se você se vê com uma vontade imensa de acabar logo o dia pra sair do trabalho para ir pra casa ou pra um bar, será que você não está trabalhando no lugar errado? Já considerou enviar seu currículo para outras empresas?

Acabei de perceber um fato curioso, falei que no Vale as pessoas não separam tanto quanto no Brasil o assunto pessoal ou de negócios, seja lá onde você estiver né? Mas quando se trata de redes sociais, isso eles fazem muito mais que a gente. Durante o TechCrunch Disrupt 2012, recebi vários convites para adicionar no LinkedIn e no Facebook apenas daquelas pessoas que fiquei mais brother. Aqui no Brasil recebo mais convites no Face que no LinkedIn, curioso isso.

Por isso, pelo menos por enquanto, vou continuar misturando tudo por aqui porque acredito que o saldo será positivo.

Ninguém lembra do seu cartão de visitas?

Não terminei de escrever todos os aprendizados do LSM no post de ontem, mas hoje gostaria de mudar um pouco de assunto. Comecei o curso de Certified Scrum Product Owner – CSPO e estou curtindo demais. Foi lá que surgiu o tema para o post de hoje: “Ninguém nem lembra de cartão de visita”.

O professor do curso, Heitor Roriz, muito top by the way, perguntou o que era aquilo em cima da mesa, apontando para o meu porta cartão de visitas. Expliquei o que era e ele deu uma zuada de brother dizendo que era frescura e tal, que carregava o dele na carteira. Aí, expliquei que guardar cartão na carteira era ruim porque amassava e também porque cabiam poucos, foi então que ouvi a hipótese: “Ninguém lembra do seu cartão de visitas mesmo.”

Não resisti! Você já viu o cartão de visitas da InkMustache? Você lembra dele? Eu sei que nem todo mundo que já viu pode lembrar, mas eu tenho fortes indícios de que a maioria das pessoas que já recebeu ainda lembra, tenha uma semana, um mês ou um ano. Poha, até o Steve Wozniak, fundador da Apple, quando recebeu meu cartão, pelas minhas mãos, falou que já o havia recebido antes*. Além disso, até hoje, 98% das pessoas pra quem eu entreguei o cartão sorriram quando eu fiz o gesto de colocar ele à frente do rosto.

Steve Wozniak, co-fundador da Apple
Steve Wozniak, co-fundador da Apple

Falando de gente importante e famosa, não foi só o Woz que curtiu o cartão da Ink não. Essas pessoas também foram clicadas com o bigodinho mais simpático de um cartão de visitas:

Bel Pesce (fundadora do FazINOVA)
Bel Pesce (fundadora do FazINOVA)
Mikkel Svane (fundador do ZenDesk)
Mikkel Svane (fundador do ZenDesk)
Madruga (produção da Globo)
Madruga (produção da Globo)
Katie do Twitter
Katie do Twitter
Zane do Prezi
Zane do Prezi
Felipe Matos (fundador do Startup Farm)
Felipe Matos (fundador do Startup Farm)
Evernote
Evernote
YouTube got Ink
Jarek Wilkieciz do YouTube

Talvez eu esteja errado, mas as fotos acima me levam a crer que não, e que a hipótese: “Ninguém lembra do seu cartão de visitas” é inválida! E o seu cartão, como é? As pessoas lembram dele?

Caramba, até o mascote do Go Horse Process foi flagrado =)

Mascote do Go Horse Process
Mascote do Go Horse Process

* Quando o Woz esteve aqui em Brasília, pedi pra um contato meu, próximo a ele, entregar meu cartão e tirar uma foto dele com o bigodinho da Ink. Valeu Césão! Algumas horas depois, tive o  privilégio de conhecer e conversar com o Woz por quase meia hora! Foi demais!

Manifestações nunca dão em nada?

Como o post passado tinha muitos assuntos diferentes e eu queria um post curto, escrevi um pouco de cada um, mas ainda fiquei com vontade de falar mais sobre os protestos que vem acontecendo aqui e no mundo. Neste post quero tentar invalidar uma hipótese: “Manifestações nunca dão em nada!”

Aonde eu disser manifestações, quero dizer passeatas, protestos, manifestações e marchas.

Para invalidar a hipótese, quero trazer um pouco do que aprendi com startups nos últimos 2 anos.  À seguir, vou montar um funil de passos, que em conjunto formam um processo que pode ser usado para transformar o Brasil. Acredito muito que temos as pessoas e os recursos necessários pra criarmos um país melhor!!!

Marcha Contra a Corrupção: 7 de Setembro de 2011
Marcha Contra a Corrupção: 7 de Setembro de 2011

Meu objetivo não é nem defender e nem dizer que sou a favor de manifestações, mas apenas apontar qual o papel que podem cumprir. Não estou dizendo que essa é sua única função, mas apenas uma das.

Segue o seguinte fato: o Brasil tem vários problemas! Acredito que podemos diminuir ou acabar com muitos deles e caminharmos para uma nação com melhor saúde, educação, transporte, qualidade de vida, etc. Para isso acontecer, temos que passar pelos seguintes passos, em que precisamos:

  1. Conhecer os problemas
  2. Querer que os problemas diminuam ou acabem
  3. Priorizar quais são os problemas mais importantes e urgentes
  4. Conhecer quais as diferentes frentes que podem combater o problema
  5. Unir o maior número possível de pessoas para combater o problema
  6. Nos dividirmos para atuarmos cada um na frente que pode ou tem mais conhecimento
  7. Definir métricas e prazos para diminuir ou resolver o problema
  8. Acompanhar os agentes e suas ações para ver se estão resolvendo de fato o problema e no tempo previsto
  9. Revisar os agentes e atitudes necessárias para resolver o problema
  10. Voltar para 1

Note que o passo 10, falo para voltarmos para o passo 1, ou seja, é um ciclo, que deve ser passado de geração para geração, de problema para problema, nunca acaba!

Aonde entram, então, as manifestações? Elas atuam em parte do processo, mais precisamente nos passos de 1 a 5, ou seja, manifestações ajudam as pessoas a tomarem conhecimento dos problemas do país, ajudam a plantar uma semente de inconformação e vontade de mudar, mostram que o país tem coisas muito importantes e urgentes para resolvermos, e ajudam a unir um número imenso de pessoas em prol de uma causa maior, mas sozinhas e isoladas, elas realmente não tem muito efeito. Muitas vezes, as manifestações surgem quando o nível de intolerância da população está cheio e qualquer novo fato que aumente a intolerância, faz as pessoas se indignarem e irem para as ruas, a maior arquibancada do Brasil! E na minha opinião foi o que aconteceu recentemente, os R$ 0,20 foram só a gota d’água e não o real motivo!

Se sozinhas, as manifestações não mudam nada, então a hipótese foi validada? Não! O que elas fazem então? Elas são meios de conseguirmos dar início ao processo de transformação, para chegarmos nos passos de 6 a 10 e fecharmos um ciclo! Ou seja, elas são parte do todo, sem os passos de 1 a 5, não é possível cumprir os passos de 6 a 10 e causarmos a mudança!

Assim, não faz sentido dizer que “Manifestações nunca dão em nada!”, pois elas dão sim, dão início à um processo de transformação, é uma ação por uma causa maior, muitas vezes é a base de tudo! É claro que elas podem não dar em nada, se não houver continuidade de ações que fechem um ciclo, mas não vou entrar no mérito agora se as manifestações que vem ocorrendo aqui no Brasil vai ter continuidade ou não. E você, o que acha? Alguma sugestão para os passos ou o processo?

De longe esse foi o post mais complicado que escrevi até hoje, não consegui cronometrar direito, mas foi algo em torno de 2h30. +10min editando.

No país do futebol

Apesar de ser o sexto dia seguido que estou escrevendo no Zarpei, era pra eu já estar mais solto para escrever, mas estou sentindo que é o dia mais difícil para isso. Acho que escrever um post para competir com jogo do Brasil na Copa das Confederações, vitória da seleção, protestos (políticos, contra a copa, contra o aumento das passagens e outras causas que não sei bem dizer), degustação do meu casamento, tá difícil. E pra completar, acabei de ver um vídeo do Arnaldo Jabor postado dia 12/06 falando dos revoltosos de Classe Média que não valem nem 20 centavos. Queria comentar sobre isso também.

Como não dá pra competir, por que não falar um pouco de tudo?

Vou começar pelo começo, do meu dia! De manhã tive uma reunião com dois consultores do SEBRAE, eles são sócios num projeto. Um, conheci hoje de manhã e o outro conheci pois prestou uma consultoria pra InkMustache. Durante a consultoria que ele nos deu, ele identificou que havia um oportunidade de invertermos os papéis, ou seja, da InkMustache prestar uma consultoria pra eles. Queriam saber mais sobre as experiências que tive no Vale do Silício, com investidores, feiras, eventos, pitches, demos e como poderiam levar isso para o negócio que estão desenvolvendo, já há alguns anos. Estão tentando entender porque tem uma ferramenta tão boa, mas ainda não conseguiram vende-la.

Mudando de assunto completamente, em seguida, busquei meu amor em casa e fomos para a degustação dos pratos do nosso casamento, tudo uma delícia! Segue um spoiler do que poderá ser servido.

Degustação para o Casamento
Degustação para o Casamento

Depois fomos pra casa do meu amor buscar uma encomenda e acabamos ficando por lá para assistir o jogo com a Dinda dela, também conhecida A Dinda! Não sou muito fã de futebol, nem torço pra nenhum time, mas quando é a Seleção Brasileira, abro uma exceção. Confesso que dormi depois dos primeiros 25min de jogo e acordei no intervalo hehe… não que eu estivesse achando o jogo chato, muito pelo contrário, mas era o cansaço da semana batendo. Foi maneiro ver a seleção em campo e estou confiante para o hexa! Segue uma foto do Neymar cobrando uma falta! Foto que tirei da tv, só para dar mais uma colorida neste post!

Cobrança de falta Neymar 2º tempo
Cobrança de falta Neymar 2º tempo

Depois do jogo, vim pra casa com meu amor e comecei a ver na TV a cobertura da movimentação e tumulto que aconteceu fora do estádio Mané Garrincha. Não defendo nem a polícia e nem os manifestantes, acho que tem gente boa nos dois lados, assim como tem uma galera sem noção, tipo o policial que atropelou de moto um manifestante em uma perseguição. É possível ver provocação dos dois lados, tanto dos manifestantes, quanto da polícia. Acredito que o que o povo quis fazer nesse momento foi mostrar pro mundo que estamos insatisfeitos com o governo, com a corrupção, com o desvio de verbas nas obras de construção da infra para a copa, nos preços altos dos ingressos, das comidas e das bebidas nos estádios, no aumento das passagens, enfim, é um conjunto de coisas. Vejo que é uma frente dizendo que amamos futebol, mas não a qualquer custo!

Minha visão é que isso é apenas uma frente de um movimento, por causas maiores, assim como as passeatas contra a corrupção que acontecem em Brasília durante o 7 de Setembro, elas nem começam e nem terminam ali. Cada um protesta como acredita que pode ou quer. Alguns protestam dentro dos estádios, outros fora, outros na internet, outros na televisão, outros na esplanada, outros assinando petições, outros criando petições no Avaaz ou Change.org, outros escrevem em um blog, enfim, são várias frentes. Não concordo muito com argumentos do tipo: “Ah, se o povo está insatisfeito, então vai lá e muda, não fica só reclamando que está ruim”. Penso que podem haver várias iniciativas diferentes, em busca de uma causa maior. É claro que sempre haverão oportunistas que tentam desviar atenção para a causa dele, mas as vezes é o que ele enxerga como o melhor que ele pode fazer. Esse assunto tem muito pano pra manga e não quero estender demais o meu post! E você, o que pensa sobre isso?

Pra finalizar, meu amor acabou de me mostrar o vídeo do Arnaldo Jabor falando sobre os protestos. Eu curtia muitos dos seus comentários, mas depois desse, ele caiu muito no meu conceito (não que meu conceito valha mais que vinte centavos, mas caiu). Falou que os protestos na Turquia são justos contra o Islamismo fanático, mas que aqui, o povo é burro e protesta sem causa. Acho que ele viajou nessa…

A maneira que o Arnaldo Jabor encontrou de protestar foi gravar vídeos de ˜2min e botar na TV Globo, isso significa que ele só faz isso e isso é inútil? Seguindo a linha dele, devo pensar que o vídeo dele não vai inibir a PEC-37 e então é burrice ele gravar o vídeo? Seria melhor então que o povo, ao invés de fazer manifestações nas ruas, deveria gravar um vídeo também protestando? Só existe uma forma de protesto? Essa uma forma que existe é a melhor? Gostaria de encerrar com uma reflexão: quando dezenas de milhares de pessoas protesta e você não enxerga a causa, será que as dezenas de milhares de pessoas são burras, ou você que não está conseguindo enxergar a(s) causa(s)?

O que é a PEC37?

Assine a petição contra a PEC37!

Em 45min. Editado com mais 10min. Re-editado com mais 10min.

Gameficando a leitura

Continuando o assunto passado sobre leitura, queria compartilhar uma aplicação web que vem me estimulado a ler mais, o Shelfari.

Shelfari gamifica (gamificação é o uso de game thinking e mecânica de jogos em contextos que não são de jogos) a leitura, me ajuda a criar metas de números de livros pra ler por ano, me apresenta meu progresso, cria uma prateleira com os livros que já li, uma biblioteca virtual e torna muito mais tangível o volume da minha leitura! Cada dia que passa, me dá mais vontade de encher minha prateleira! Além disso, você pode também dar reviews, recomendar livros, ver prateleira dos amigos, marcar livros que você tem, que você quer, que você está lendo ou que já leu, muito maneiro.

Outra parada maneira é que ele gera um widget para você expor sua prateleira de livros em blogs. Adicionei minha prateleira na coluna do Zarpei á direita —>

Veja algumas telas das minhas metas e progressos para 2013:

Shelfari Progress 2013
Shelfari Progress 2013

Crie sua conta, me siga e divirta-se!

Mais info:

www.shelfari.com/adrianoteles

Shelfari no Wikipedia

Shelfari Site Oficial

O site, que é um catálogo social, foi lançado em 2006, recebeu um investimento de US$ 1M da Amazon e foi comprada por essa última em 2008.

Resolvi cronometrar o tempo que passei criando esse post, total: 30min.

Por que você lê?

Boa noite galera, quarto dia seguido postando, uhul, we have a new record!!!

Nunca fui muito de escrever, mas estou aprendendo a desenvolver essa habilidade, e pra dizer a verdade estou curtindo muito!!! Também nunca fui muito de ler, livros, mas ultimamente também desenvolvi uma quase que dependência, seja do livro físico ou do kindle. Na verdade, acho que o que eu gosto mesmo é do conhecimento que adquiro na leitura, nem tanto do ato de ler. Se for para ler livros de ficção por exemplo, tô fora.

Gosto muito de ler manuais dos gadgets que compro, tipo da máquina fotográfica, calculadora, gps, celular, isso sim eu acho maneiro, porque consigo ver uma aplicação prática e quase que imediata do que li.

Curto muito também ler artigos e assino algumas newsletters de blogs com assuntos de tecnologia, inspirações, design, empreendedorismo, etc. Segue alguns dos meus favoritos:

http://www.quicksprout.com/

http://under30ceo.com/

http://www.sitepoint.com/

http://designmodo.com/

Blogs de amigos ou locais? Boa pergunta! Leio muito pouco, não por falta de interesse, mas acho que acabo acompanhando a vida dessa galera pelo Facebook. Nem conheço também muito os blogs dos brothers, por favor, me indiquem? Na verdade, acho que a maioria não tem e muitos que tem não atualizam com tanta frequência hehe, sei bem como é!

E ler para viajar na imaginação? Felizmente eu tenho a imensa sorte* de poder viajar na vida real mesmo. Quando falo de viajar na vida real, quero dizer, literalmente, pelo Brasil ou pelo mundo, ou ao invés de me imaginar voando numa vassoura, a la Harry Potter, prefiro armar uma slackline em cima da piscina, escalar na pedra, pular do alto de uma cachoeira, sei lá acho muito mais emocionante do que imaginar isso lendo um livro de ficção.

Abaixo um vídeo muito maneiro, quase 3M de views, que fala da avançada tecnologia que é o livro:

el book

* Sorte pra mim, muitas vezes, é mero acaso, mas também uma mistura de acaso com oportunidade criada, acredito muito em se preparar para a sorte!

Dia dos Namorados

Hoje não é dia de falar de negócios ou viagem, hoje o dia é dos namorados, hoje o dia é dela, do meu amor, Palloma Meneghello.

Coisa linda, hoje é nosso oitavo dia dos namorados, falta 1 mês para nosso aniversário de namoro de 9 anos e 4 meses para nossa festa de casamento! E no final do ano, será que nossa casa fica pronta? Quanta coisa pra um só ano hein? Sem contar que dia 28 de janeiro foi o nosso casamento no cartório! Assim que é bom, um ano intenso de bons momentos, momentos felizes e grandes acontecimentos. Não posso esperar que isso se repita ano que vem, mas o que realmente importa não é o que aconteceu, mas como aconteceu e porque aconteceu. Aconteceu sempre com muito amor, humor, sorrisos e sempre ao seu lado, porque eu te amo!. Que venham mais 8, 8 não, mais 80 dia dos namorados! Obrigado por ser minha companheira de aventuras e em todos os outros momentos da minha vida! Te amo!

Quem diria, 3 dias seguidos postando por aqui!  Keep it up!!!

Eu te amo!
Eu te amo!